O que são investimentos em renda variável? Veja os tipos

renda variável
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on telegram
Telegram
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Os Investimentos em renda variável crescem de forma exponencial a cada mês, o número de brasileiros que estão migrando da renda fixa para a renda variável aumenta de forma surpreendente. De acordo com o relatório da B3, houve um crescimento de 87,2% em 2020, representando um total de 3.147.040 CPFs cadastrados na bolsa brasileira.

Com o efeito da baixa das taxas de juros, a renda fixa vem gerando baixos rendimentos para o investidor. Por isso, muitos tem buscado investir na renda variável, pois os retornos têm sido maiores.

Então, no artigo de hoje, vamos explicar de maneira simples o que são os investimentos em renda variável e as principais opções.

O que é a renda variável?

Em resumo, investimentos de renda variável são aqueles cujo retorno é imprevisível no momento do investimento. O valor varia conforme a cotação do mercado, baseado na lei da oferta e demanda.

Na renda variável não é possível ter a certeza quanto chegará o valor de uma ação, não dá pra garantir se haverá valorização, porque as ações podem desvalorizar no período.

Contudo, quem investe em renda fixa, empresta dinheiro para o governo ou um banco, e recebe esse valor com juros e na renda variável o investidor passa a ser sócio de uma empresa ou de um empreendimento imobiliário.

É seguro investir em renda variável?

A B3 é responsável por organizar, manter, controlar e garantir sistemas apropriados para a realização de negócios.

Além disso, existe a atuação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), autarquia do governo federal responsável por regulamentar, fiscalizar, julgar e punir os agentes de mercado quando as regras não são seguidas.

Com todas essas iniciativas e agentes fiscalizadores, do ponto de vista institucional, é seguro investir em renda variável.

Isso, no entanto, não significa que os investidores estarão isentos da possibilidade de perda nas suas aplicações, devido aos movimentos do mercado. Por isso, os interessados devem conhecer seu perfil de risco e avaliar cautelosamente os instrumentos que utilizarão para investir.

Tipos de investimentos em renda variável

Existem vários produtos disponíveis, cada um deles têm características próprias de risco e liquidez. Assim, a escolha do mais adequado depende de uma avaliação do investidor.

Ações

Uma ação é a menor parte do capital de uma empresa. Pois, a empresa que emite ações no mercado que tem como objetivo principal captar recursos que viabilizem o seu crescimento.

Portanto, quando um investidor adquire ações torna-se sócio da empresa e seu principal objetivo é alcançar ganhos com os resultados da companhia.

Certamente, existem duas formas de lucrar investindo em ações.

Sendo assim, a primeira é com a distribuição dos dividendos, que são os lucros da empresa que são distribuídos para os seus acionistas.

Dessa forma, pelo menos 25% dos ganhos devem ser destinados para pagamentos dos proventos, tem empresas que pagam mais que isso.

A segunda forma é por meio da valorização da cota, conforme os movimentos do mercado, o preço da ação pode aumentar ou diminuir, quem compra ações por um valor baixo e vende mais tarde, por um preço maior, consegue lucrar.

Fundos Imobiliários – Os FIIs

Os FIIs surgiram da junção do mercado imobiliário com o mercado financeiro. São regidos pela lei n° 8.668.

Dessa forma, os fundos imobiliários investem o dinheiro dos cotistas em empreendimentos imobiliários como imóveis ou títulos de renda fixa lastreados em imóveis.

Sendo assim, as gestoras dos fundos são responsáveis por encontrar e realizar os investimentos mais interessantes e garantir uma boa rentabilidade para os cotistas.

Contudo, vale salientar que por lei, os fundos imobiliários têm que distribuir 95% dos ganhos semestralmente com os cotistas do fundo, porém eles fazem esse pagamento mensalmente. Dessa forma, garantindo uma renda mensal.

Assim como as ações, o ganho pela distribuição dos dividendos e valorização das cotas.

Quer saber mais sobre os Fundos Imobiliários? Acesse através do link.

ETFs – Exchange Traded Funds

Eles são fundos que replicam a composição de índices financeiros. Dessa forma, o ETF é composto por várias ações que atendam aos critérios do índice referenciado.

Em resumo, eles tem uma atuação mais passiva em relação às Ações e Fundos Imobiliários, pois replicam índices financeiros, tais como:

  • Índice BOVESPA: O Ibovespa é o principal indicador de desempenho das ações negociadas na B3 e reúne as empresas mais importantes do mercado de capitais brasileiro.
  • Índice Brasil 100: É o indicador do desempenho médio das cotações dos 100 ativos de maior negociabilidade e representatividade do mercado de ações brasileiro.

Só que o lucro através dos ETFs no Brasil só é possível através da venda, tendo em vista que não há distribuição de dividendos, eles são integrados ao valor da cota.

Fundos de Investimento

Vários tipos de fundos permitem investir em renda variável. Nesse sentido, os de ações são os exemplos mais comuns.

Os fundos de ações são considerados maneiras simples de investir em renda variável, porque quem se responsabiliza por decidir que papéis comprar ou vender é um gestor profissional.

Contudo, Isso tem um custo. Pois, há cobrança de taxa de administração – e, em alguns casos, taxa de performance também.

Em síntese, o investidor transfere a responsabilidade para um profissional em fazer toda a movimentação de compra e venda dos ativos.

Vantagens e Desvantagens dos Investimentos em Renda Variável

Primeiramente, veremos as principais Vantagens:

  • Possibilidade de obter retorno maior do que a renda fixa;
  • Pagam divisão de lucros e possível valorização de patrimônios;
  • O torna sócio de empresas e empreendimentos;
  • Melhor investimento para o longo prazo.

Portanto, há algumas Desvantagens:

  • Há oscilação negativa, mas como vimos anteriormente no longo prazo essa oscilação costuma ser positiva.
  • Além da oscilação negativa (risco de mercado), tem os riscos recorrentes de cada tipo de investimento.

Portanto, há várias formas de reduzir os riscos: diversificando a carteira com vários tipos de investimentos e bons ativos.

Como investir em renda variável?

Agora que você conheceu os tipos de ativos, sabe das vantagens e desvantagens. Em seguida, você saberá como investir.

Os ativos são negociados na Bolsa Brasileira (B3), por isso, para ter acesso é preciso abrir conta em uma corretora. Mas antes disso, monte uma Reserva de Emergência, como vimos os riscos existentes é bom ter uma reserva caso necessite de uma grana emergencial.

Em relação às corretoras, uso a Clear para investir no Brasil. Pois, não tem cobrança de corretagem. Já para investir no Exterior, utilizo a Passfolio.

Entretanto, caso queira saber mais sobre as corretoras, têm um artigo interessante do Lucando na Bolsa, para ter acesso clique aqui.

Conclusão

Portanto, não há motivos para não investir em renda variável.

Sendo assim, foi apresentado vários tipos, basta escolher aquele que lhe traga mais confiança.

Em primeiro lugar, comece aos poucos, fazendo pequenos aportes e conhecendo cada vez mais os ativos.

Em segundo lugar, busque a diversificação com o tempo, pois irá diluir os riscos.

Por fim, muito obrigado pela atenção e até a próxima.

Um forte abraço,

Jefferson Dias (Ativo na Bolsa).

Então, gostou do Artigo? Compartilhe:

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on telegram
Telegram
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Talvez você goste dos artigos abaixo: